Antes de criticar leia o texto.

14102695_1205547159465689_7461471220876932006_n

 

A Bandeira do Brasil é o símbolo máximo de representação da nação perante os outros países.
Uma faixa branca com a frase “Ordem e Progresso” anuncia as premissas a serem seguidas, lema baseado nos estudos do filosofo francês do positivismo, Augusto Comte
Na bandeira brasileira ainda estão 27 estrelas que representam os 26 estados e o Distrito Federal do país.
O branco presenta o desejo pela paz
O azul simboliza o céu e os rios brasileiros
O amarelo representa as riquezas do país
O vermelho representa o sangue indígena o sangue negro a escravidão e servidão forçada
O vermelho representa a resistência de um povo o sangue que foi derramado que não foi em vão que representa o instinto de liberdade de ser livre
O vermelho a cor do sangue a cor do amor a cor da resistência de dois povos de duas etnias
O vermelho a resistência do indígena e do africano
 
 
A palavra de ordem aqui é Resistencia, pois resistimos e existimos e a nossa luta ainda é continua

The future is black past and present also – Ep by Obasquiat

collage1

https://bandcamp.com/EmbeddedPlayer/album=1565523346/size=large/bgcol=ffffff/linkcol=0687f5/tracklist=false/artwork=small/transparent=true/

Na data 13 de maio mas não de 1888 mas sim de 2016 não venho citar a “abolição” (ou coisa para inglês ver) mas sim fazer a exaltação da etnia sem se vitimizar mas com orgulho entrego-lhes esse meu manifesto artístico baseado no conceito do afrofuturismo e a toda cultura nossa que de nós foi retirada heis as metáforas sonoras do futuro aqui agora ecoam no novo ep do meu projeto Obasquiat
 
“The future is black past and present also” – Ep:
 
Este EP é apenas uma amostra um “souvenir” sonoro e delinear do próximo álbum.
A base deste ep é mostrar um som mais orgânico da banda como um todo, fugindo da ideia de trabalhar as “colagens” sonoras
Apesar de ser um trabalho recente e com novos sabores, este ep é um traço da identidade da banda, mostrando um lado com mais referências de rock alternativo e do jazz, poesia e música Africana.
A proposta do álbum é ter mais contato e trabalhar mais os conceitos do Afrofuturismo um, resgate da cultura negra ancestral, não é um retrocesso mas sim a busca pela verdade e valorização, auto afirmação do negro e toda a sua cultura, arte e musica tudo isso utilizando de elementos futuristas, pois no álbum a concertos com sintetizadores e novas tecnologias a busca pela modernidade sonora através da ancestralidade da identidade do povo negro, desmistificada e agregando o seu real valor
Este trabalho esta mais focado e menos espontâneo, com a participação de alguns músicos e com a introdução de novos instrumentos e ideias
Um novo ciclo está se formando, criando e buscando novos sons e experiências, assim este extended play (EP) deve ser considerado o primeiro passo do novo ciclo que esta se formando.
Com boas vibrações Saúdo-vos com essas metáforas sonoras de nossas vidas, todos são bem-vindos e divirtam-se tanto o quanto possível!
Sente-se, fique a vontade, compartilhe sempre o amor ao próximo.

 

julho 18 – 2014

“Ódio é o que sentimos
Com muito amor no coração
Embriagados pela beleza psicotrópica
Do suor em nome do senhor.
E assim seguimos em nossos polos e continentes
As cargas horárias de exposição na terra.
Pois a mãe volta, a barriga, o feto, a vida
Insana indisponibilidade humana
Sem tempo para pensar
Sem prazo irrefutável do passado para se apegar”.

Karlus Marx
julho 18 – 2014

1.400 anos!!!  Do século VII ao XX em 41’52”

O que se traz em questão aqui não é culpar europeus, muçulmanos ou até mesmo os próprios negros (sim havia escravismo dentro da África, entre as tribos elite e outras, mas isso é outra história para se estudar e se aprofundar) não se deve basear em crenças religiosas ou étnicas mas sim em trazer a discussão sobre o que foi a escravatura e o impacto social, ambiental e cultural que gerou tudo isso e disso sim culpar (se essa seria a palavra) o escravocrata que via a venda de seres humanos como forma de lucro.

Compartilhando pensamentos

Ar, Água, Alimento, Agasalho e Abrigo (algumas necessidades são básicas)
Já percebeu que estamos pensando e agindo diferente, não sei mas parece que do nada deu um estalo de desconstruir e construir ideia/conceitos
Isso para algumas pessoas pode ser loucura, porque elas ou não enxergam isso ou apenas tem medo de ser humano e sentir e encarar de frente
Praticamente começando do zero e com uma plena noção do que não queremos fazer.
Nos tornamos mais ligados e percebendo como as pessoas não estão pensando e vivendo em um mundo de obrigações, correrias, horários, reuniões e compromissos, como formigas e não estão sentindo nada talvez estejam sobrevivendo como maquinas.
E essa desconstrução e construção de alguns novos valores e ideias que estamos passando nesse momento é realmente algo sensacional!!!
…Devemos ir atrás dos nossos instintos e anseios dessa forma conseguiremos nos encontrar de forma plena.
Concordo que não sei se existe um caminho certo, mas o primeiro passo já foi dado e isso é de extrema importância em nossas vidas e com certeza o maior empecilho é realmente essa questão do ego (maldito ego!) e essa pressão na família na sociedade no trabalho em tudo pra ser “bem sucedido” e um “vencedor” nessa loucura toda”!”! (Às vezes tem algumas coisas que eu simplesmente não entendo) isso foi uma coisa que sempre me incomodou desde criança porque eu sempre fui um zero à esquerda e todo esse bombardeio de informação está me fazendo ver e analisar tudo diferente.

SamPaulo (A paranoia infernal)

Agora sim, estou acabado
Termino, resto em cacos.
Tédio, fatigado…
Porque deveria me importar (com você )
Olhos têm p/ todos os lados.
Vozes escutas, mas não tenho ouvidos p/ elas.
Paciência esgotou… Preciso virar a ampulheta
A ansiedade coroe meus pés
O corpo agita-se como que com vontade própria nada posso fazer apenas esquecer.
Persisto no erro de olhar o relógio e este pinga minutos, com dificuldade e não escorre.
Será que em algum momento vou surta?!
(Preciso sair!).
A cidade move-se
Pessoas apressadas em seus mundos, chuva vem.
Que molha, não anima os ânimos.
Povo carrancudo, cicatrizado pela ignômia de suas vidas.
E enquanto isso faço parte desse circo de tristes trabalhadores, desempregados, jovens, velhos e vagabundos que habitam essa colmeia de desafortunados, persistentes em erros.
Ainda em equilíbrio, pois um rascunho de papel alivia alma.
Ainda chove, agora com mais força, ainda ouço as vozes de alguém que nem sei
“Senhor!”, “Senhora!”; “Muito obrigado!” formalidades estúpidas!
Mas fazer o que?
Desconfio que com certeza o futuro é incerto,tento encontrar tempo pra pensar…o sistema tem que trabalhar.
Um dia, assaltos,outros, acidentes e mortes mais adiante roubos e furtos,violência.
A droga paira nos ares de nossa abençoada cidade e o que eu faço…?
Esquivo desse caminho (quando consigo)
Risos p/ disfarçar o choro compulsivo
A cada dia sobrevivo e isso já é uma vitória.
Talvez a paciência seja uma virtude
Talvez “levar patadas” seja algo digno
Com certeza a arrogância ainda tem destaque em nossos dias, compramos “status”
Isso ainda conta,você é o quanto ganha e o que veste.
Essa condição estressante e obrigatória do trabalho faça o seu serviço e seja um numero, vista um terno e seja “O correto”
Ainda corre a imagem manchada da aparência, submeta-se a esse mundo agarre-se ou morra.
Seja usado…descartado, transformado em maquina, em forma de maquina com certeza morrei tentando ser algo,mas nunca o serei.
Viver à margem (marginal)
Com intelecto periférico no degrau de baixo…o que mais poderia fazer?
Aceitar o ostracismo
Por quê?
Porque sou ocioso!
Porque sou louco!
Porque escrevo,escrevo,escrevo coisas que sei lá o porquê ou sentido delas.
Como um texto, pensamento, poema que aponta para varias direções que é sem um fundamento que apenas “enche linguiça”!

Titulo: “SamPaulo” (VideoClip)
Filmagem,edição e texto: Marco Antonio
Musica: Jeferson Peres (Skeeter).
Tempo de Duração: 3’15”
Data:04/10/2013d.C

 

Feeling thoughtful.

“O destino a Deus pertence”. Frase muito usada por algumas pessoas…E essa é a questão
O destino a um Deus pertence?
Partimos da premissa do conceito religioso no monoteísmo, apenas existe um Deus e criador de tudo e de todos, um Deus monoteísta que foi sendo criado na antiguidade, já nas religiões politeísta no oriente já tem uma relação mais intrínseca com a natureza e pode ser também influenciado pela cultura, pelo seu povo e época.
Tudo o que acontece na vida ou aconteceu até agora foi planejado? Pois se temos um livre arbítrio cristão contraditório, onde um Deus ou a manifestação dele onipresente, onipotente onisciente nos concede essa dadiva contraditória?
Todas as escolhas (boas e ruins/o certo e o errado)
Podem ser denominadas como certo e errado a partir de um certo ponto de vista, pois o divino se isenta dessas definições que são totalmente criadas pela sociedade.
Tudo começou e tendeu a se desenvolver no conceito de certo e errado a partir do zoroastrismo iniciado pelos gregos e adotado e desenvolvido com os persas
Temos a partir daí o conceito de bem e mal de certo v.s. errado
Mas e o nosso trajeto ou passagem por esse plano terrestre
Já está marcada traçada, pré definida?
Não tem como afirmar que tudo está traçado ou definido se fugirmos do conceito calvinista que prega a premissa de que qualquer ocorrência é o resultado do plano de Deus, que é o criador, preservador, e governador de todas as coisas, sem exceção.
Mas bem, sabemos que o fim é certo, todos sabem disso
(Nossa única certeza na vida).
Estamos entregues ao desespero?
Ao fracasso?
A uma inútil existência?
O destino a um Deus pertence?
Em que você acredita?
Eu acredito na falta, no vazio, na angustia
No medo, na incerteza, no desespero…
Mas creio fielmente no Amor, na união, na paz
E felicidade…
Intensamente acredito na vida, no humano (demasiado humano)
Como individuo falho, mutável às vezes supérfluo
De inúmeras facetas e totalmente capaz de saber comandar o seu próprio rumo, destino.
“O homem faz a si próprio”.